Pular para o conteúdo principal

Declaração sobre a escravidão moderna

(Adotada e aprovada em 1º de janeiro de 2020)

  1. Estrutura organizacional e cadeias de suprimentos

    A Sprout Social, Inc. (“Sprout Social”) oferece soluções para percepção e análise profunda de redes sociais, gestão social, atendimento ao cliente e advocacia para mais de 24 mil marcas e agências em todo o mundo. A Sprout Social está sediada em Chicago, Illinois, e tem escritórios em Seattle, Londres e Dublin. Dada a natureza do negócio da Sprout Social, que disponibiliza um software como serviço na nuvem para os seus clientes, a Sprout Social não conta com uma cadeia de suprimentos tradicional e considera-se de baixo risco em relação às questões que envolvem a escravidão e o tráfico de pessoas. Exigimos que nossos fornecedores, contratados, revendedores e outros parceiros cumpram as leis e regulamentos vigentes, entre os quais pode estar a Lei da escravidão moderna de 2015. Continuaremos, no entanto, a monitorar o nível de risco em todas as nossas cadeias de suprimentos atuais e tomaremos as devidas ações caso venhamos a encontrar maior risco de escravidão moderna.

  2. Políticas relacionadas à escravidão e ao tráfico de seres humanos

    Todos os terceiros que a Sprout Social contrata devem cumprir todas as leis e todos os regulamentos vigentes (entre os quais pode estar a Lei da escravidão moderna de 2015). Não avançamos na aquisição de bens ou serviços de terceiros que acreditarmos apresentar risco referente à escravidão ou ao tráfico de seres humanos. Não apoiaremos cadeias de suprimentos onde tenhamos motivos para crer que há escravatura e tráfico de seres humanos.

  3. Processo de auditoria

    Ao avaliar contratados, parceiros, revendedores e outros fornecedores, a Sprout Social adota uma abordagem de tolerância zero em relação a quaisquer possíveis problemas que envolvam escravidão ou tráfico de seres humanos. Devido à natureza do nosso negócio, adquirimos serviços de terceiros que normalmente não envolvem os tipos de trabalho que apresentam risco de escravidão e tráfico de seres humanos. Nós nos envolvemos na auditoria de terceiros para sabermos se há alguma possibilidade de envolvimento dos tipos de trabalho arriscados no que se refere a problemas relacionados à escravidão e ao tráfico de seres humanos.

  4. Treinamento

    Nossa equipe de compras é treinada para solicitar os compromissos contratuais por parte de nossos contratados, parceiros, revendedores e fornecedores, para cumprir todas as leis vigentes, entre as quais pode estar a Lei da escravidão moderna de 2015. Os funcionários responsáveis pela aprovação e integração dos fornecedores conhecem os problemas que envolvem a escravidão moderna e o tráfico de seres humanos. Nossa política interna exige que todos os possíveis problemas com fornecedores sejam levados ao assessor jurídico geral.

  5. Próximos passos/de olho no futuro

    A Sprout Social reconhece a importância da Lei da escravidão moderna de 2015 e continuará a avaliar o risco da existência da escravidão moderna em nossa cadeia de suprimentos, incluindo a revisão de contratos negociados com nossos contratados, parceiros, revendedores e outros fornecedores.

  6. Aprovação

    Esta declaração foi preparada de acordo com a Lei da escravidão moderna de 2015 e constitui a nossa declaração sobre escravidão e tráfico de seres humanos para o ano fiscal indicado acima. Esta declaração foi aprovada pelo conselho administrativo da Sprout Social e assinada em seu nome pelo nosso assessor jurídico geral e secretário.